Meu Melhor Erro - Juliana Lima

4-Jul-2017

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não pensava que seria tão difícil escolher apenas uma história de algo que tenha corrido mal para contar aqui. Hoje olho para traz e dou risada das tantas aventuras "erradas" que tenho vontade de partilhar todas!

 

Depois de um tempo refletir escolho uma. Então vamos lá que com as risadas tenho algumas lições a passar! 

 

Há uns anos fui pela primeira vez aos EUA. Aproveitei os pontos do programa fidelidade para pegar a passagem de ida, BRASIL > DC e a volta acabei comprando a opção mais barata, com escala no Canadá. NYC > CAN > BRA. Está bem que não fazia o menor sentido subir, para descer, mas pensei: "vale a economia" e lá fui eu! 

 

Meu primeiro destino: DC! Fui conhecer onde vive o presidente dos Estados Unidos e passar uns dias com uma amiga que lá vivia. Foram uns 20 dias a passear por DC e arredores... Virgina, Maryland, Bethesda...  Que delicia! Em DC deu tempo até de criar uma rotina, fazer um curso e circular muito pelas ruas que fizeram eu me sentir num filme americano.

 

De lá, fui para NYC encontrar o meu namorado da época e mais 2 amigos. Ficamos hospedados num apartamento bem gostoso em Williamsburg. Viva o airbnb! Na época, eu trabalhava numa empresa multinacional e passei uns dias no escritório lá, a trocar experiência e sentir como é acordar, pegar o metrô com um copo térmico de café e ir trabalhar num escritório na 5thAvenue. Foram mais uns 20 dias a descobrir cada canto da Big Apple, a encontrar e fazer (novos) amigos por todos os lados! 

 

No dia antes de ir embora, fizemos uma festa de despedida. Por que não faríamos? 

 

Lembro que marcamos num bar com double beer. Pensa só, a alegria de estarmos todos ali, em NYC a comemorar as férias e as novas amizades. 

 

Dia seguinte, acompanhados da ressaca, apanhamos todas as malas e chamamos os taxis amarelos. Não havia uber na altura. Foram 2, um para os meninos, que tinham o vôo saindo do JFK e outro para mim, que ia para Laguardia apanhar o vôo com a tal escala para o Canadá. 

 

Ao chegar no Laguardia fui direto para o checkin despachar as malas. Estava a passar tão mal da ressaca que não conseguia nem pensar bem.

 

LIÇÃO #1_ NUNCA ENCHER A CARA NA NOITE QUE ANTECEDE UMA VIAGEM INTERNACIONAL 
 

Entreguei minha passagem e o passaporte, a moça da companhia avisou-me calmamente que eu não poderia embarcar. #COMOASSIM? 

Eu, ali, a passar mal com aquela vontade de só querer chegar em casa não ia poder embarcar? 

 

Pois é minha gente, não teve discussão que fizesse eu ganhar essa, a funcionária da Air Canadá fez o que poderia fazer para me ajudar... trocou a minha passagem para o dia seguinte, mesma hora, mesmo percurso e explicou-me que sem o visto canadense eu não poderia fazer aquela escala e que eu teria que ir no consulado na manhã do dia seguinte para tirar o visto. 

 

LIÇÃO #2_ NUNCA COMPRAR UMA PASSAGEM COM ESCALA EM OUTRO PAÍS SEM PESQUISAR A NECESSIDADE DE VISTO. 
 

Não tinha o que fazer. Estava ali, sem morada, sem rumo e de ressaca. Liguei para um amigo e pedi abrigo por uma noite. Avisei a minha mãe que não chegaria no Brasil no dia seguinte e contei tudo o que tinha acontecido. Encontrei o amigo numa estação de metro para pegar as chaves do apê. Ele explicou-me que as chaves emperravam e que eu tinha que tomar cuidado para abrir a porta do prédio. ADIVINHEM O QUE ACONTECEU quando lá cheguei? QUEBREI AS CHAVES NA PORTA! 

 

LIÇÃO #3_ ESCUTAR E DAR ATENÇÃO AOS PONTOS DE ATENÇÃO DOS SEUS AMIGOS! SEMPRE! 

 

LIÇÃO #4_ NÃO FORÇAR ABRIR A PORTA SE A CHAVE EMPERRAR!  

 

Fiquei ali uns tantos minutos sem conseguir pensar. Até que uma vizinha chegou, tocou a campainha e pediu para seu colega abrir a porta por dentro. Com uma pinça, tiramos o teco da chave e pronto. Fui descansar.

 

No dia seguinte fiz tudo o que o pedido de um visto para entrar num pais exige, fila, formulários, fotos, pagamentos... e pronto. Final do dia lá fui eu a caminho do aeroporto parfa a minha nova tentativa de retorno para casa.

 

Chegando no aeroporto, despachei as malas e como não tinha chovido nenhum outro dia durante as férias, caia o mundo em NYC. Esperei tempo suficiente até me dar um faniquito e perguntar para a equipe da companhia sobre meu vôo. A reação de surpresa da moça "o que você está fazendo aqui ainda?" foi um pouco assustadora. Ela colocou-me no próximo vôo de embarque imediato para o Canadá e lá fui eu.

 

O horário do meu embarque para o Brasil já estava rolando e eu? No ar a caminho do Canadá. 

 

Cheguei em terras canadenses, desci do avião e ativei o mood corrida.... com mochila nas costas e uma vontade giga de ter um skate nos pés.
 

Mesmo no caos tive tempo para pensar "nunca estive num aeroporto tão gigantesco na vida"! A sensação deve ter potencializado pela pressão e sensação que não ia chegar em tempo no portão. 

 

De facto, não consegui.

 

LIÇÃO #5_ LEVE O SKATE NA MALA DE MÃO SEMPRE QUE POSSÍVEL. 
 

Ao chegar, finalmente, no portão e ver o avião descolando do embarque só tive consegui ter uma reação: chorei. 

Lá estava eu num país estranho, sem ninguém, sem net, sem saber pra onde correr. 

Chorei e não acho que foi fragilidade, mas confesso q serviu bem para aliviar a tensão.  

 

Horas depois fui parar num hotel com tudo pago pela companhia. Menos mal, né gente? 

 

Cama confortável, banho quentinho, café da manhã 5 estrelas, vale almoço e jantar.

 

E com vôo remarcado para as 23h do dia seguinte.
 

Mas, como a saga parece nunca terminar. Vale a pergunta de um milhão de dólares: E as minhas malas? 

 

LIÇÃO #6_ SEMPRE QUE POSSÍVEL, COMPRE VÔOS DIRETOS. CHEGAR NUM PAÍS "X" SEM MALAS EXIGE UM DESPRENDIMENTO QUE VOCÊ PODE NÃO ESTAR PREPARADO.

 

Sem malas, sem abraço, sem fôlego fiquei aquela noite no Canadá.

 

No dia seguinte fui descobrir, no aeroporto, que as minhas malas chegaram no Brasil antes de mim. Sorte a deles que eu não era nenhuma terrorista com explosivos na bagagem.

 

Aproveitei o dia para respirar o ar frio, tomar uma cerveja e observar pessoas indo e vindo.

 

LIÇÃO #7_ HORAS NUM AEROPORTO PODEM SER INSPIRADORAS. 

OBSERVAR CHEGADAS E PARTIDAS COM OLHAR CURIOSO E SENSÍVEL PODE TE TRASPORTAR PARA SENTIMENTOS E SENSAÇÕES INEXPLICÁVEIS. 

 

Pois bem, 3 dias depois, cheguei no Brasil. Minhas malas estavam lá. Não só com as minhas roupas e as comprinhas dos EUA, mas uma aventura e muitas lições pra compartilhar.

 

LIÇÃO #8_ ERROS VALEM MAIS PELAS LIÇÕES DO QUE PELOS ERROS. 

 

LIÇÃO #9_ PARTILHAR EXPERIÊNCIA ENTÃO…. PODERIA TER "AMOR" COMO SINÔNIMO.
 

é isso! para finalizar, a lição final pra gente levar para a vida! 


LIÇÃO #10_ VAMOS VIVER, ERRAR, APRENDER E PARTILHAR SEMPRE! <3 

 

 

Juliana Lima

"Eu sou uma menina-mulher. Tenho a alma de uma eterna criança. Prefiro levar a vida assim, com sorriso no rosto, olhos curiosos e pronta para descobrir e apreender sempre." 

 

Compartilhar
Compartilhar
Please reload

Posts Em Destaque

Impacto da NOZ na Estratégia de Negócios

August 11, 2016

1/1
Please reload

Posts Recentes

April 18, 2017

April 10, 2017

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Basic Square
  • Instagram Social Icon